claudinhobrasil.com

Música, Atitude, Cultura e Informação!

Uma Dose a Mais!

Em 05/07/2009

A minha família sempre brincou com a idéia de que um tio meu foi feito uma dose a menos. Entende como?
É por que ele é muito quieto, mas depois que ele bebe a primeira dose ele se solta e fica muito afetivo e carinhoso. Então sempre brincamos que ele foi feito uma dose a menos.
Comigo já é diferente. Hehe
Depois de 30 anos de vida e me observando minuciosamente posso fazer uma afirmação com clareza: eu fui feito uma dose a mais!

dose

Naturalmente eu já falo bastante, brinco, converso, dou muita risada. Então eu preciso justamente é cuidar com a dosagem pra não passar do ponto.
Meu pai sempre me disse que normalmente eu sinto as coisas com muita intensidade. É a mais pura verdade. Quando algo é legal, pra mim é muito legal, em compensação, quando algo é ruim, pra mim é muito ruim. Por isso o exercício da equanimidade, que comentei no post A raiz do sofrimento humano é tão importante pra mim.
Na hora de me expressar também acabo me expressando intensamente. No dia a dia as vezes pode ficar um pouco exagerado, mas em compensação artisticamente funciona muito bem! ;)
Para mim, as coisas também têm que ser verdadeiras. Por exemplo: gosto de um abraço de verdade, um beijo de verdade, um carinho de verdade. Sabe quando somos apresentados para alguém e rola, na maioria das vezes, aquelas bochechadas com estalos fingindo beijo? Haha Eu já procuro sempre beijar de verdade (mesmo quem acabo de conhecer) e ainda gosto de abraçar a pessoa depois. Pra mim é tão melhor…
Por eu ser assim, intenso, eu não posso com as drogas não. Imagine!
Se eu fumo maconha eu fico sentindo tudo com TANTA INTENSIDADE que não consigo completar uma frase! Hahaha E o pior é que se eu começar a querer expressar o que estou sentindo eu devo ficar insuportável. Por exemplo, chapado eu posso ficar horas falando e achando lindo uma fechadura. Hahahaha Imagine que chato!
Toda essa reflexão é por que hoje é domingo e estou de ressaca, e como pra mim tudo é intenso, sofro agora de ressaca intensa. É a pura verdade! Ontem resolvi passar um pouco do meu limite. Sinto que precisarei de muitas praticas de ioga e meditação para purificar. Não me arrependo por que serviu de lição. Também aprendi com a vida que as vezes passar um pouco do ponto pode ser saudável. Claro, se usamos da experiência como uma grande lição.
Um abraço de paz em cada um.
Que a vida nos ensine a sermos pessoas melhores.
E que todos os seres sejam felizes.

Categoria: Vida

Quem trai…

Em 25/06/2009

Quem trai um verdadeiro amor na verdade trai a si mesmo.
Quem trai um verdadeiro amor na verdade não está bem.
Quem trai um verdadeiro amor é quem mais precisa de ajuda.
Quem trai um verdadeiro amor é quem mais precisa de amor.

OBS (inspirado no comentário 2):

Minha idéia é refletir sobre a traição…
Tem três aspectos a se pensar:
1. a respeito de quem é traído: se fomos traídos eu acredito muito que é porque precisamos passar por isso, tem algo muito importante que precisamos aprender.
2. a respeito da repetição: quando estamos nos envolvendo repetidamente com essa situação, sabe aquela estória de que todo homem é igual, ou todo homem trai? Se uma mulher se envolve sempre com o mesmo tipo de homem, na verdade ela que precisa mudar.
3. quem trai normalmente faz o papel de “eu sou foda”, tipo assim: ontem peguei uma menina, minha namorada nem desconfia (serve também para o sexo oposto). Minha reflexão é sobre esse ser que parece tão forte, mas na minha opinião ele está tão confuso, e muitas vezes tão carente. Esse precisa de amor, esse precisa amar. Mas pra isso, antes, ele precisa descobrir quem ele é!

Categoria: Vida

A raiz do sofrimento humano

Em 23/06/2009

No post do dia 18 de maio (Eu também comi o pão que o Buda amassou) postei um texto relatando a experiência de uma monja em um retiro espiritual Zen Budista. Nesse mesmo post eu comentei que também havia participado de um retiro de 10 dias, totalizando 100 horas de meditação, com voto de silêncio. Nessa minha experiência eu aprendi algo muito importante que gostaria de compartilhar com vocês.
Há aproximadamente 2 500 anos, Buda mergulhou em meditação, abaixo de uma árvore, até entender a razão do sofrimento humano. Ele concluiu que o sofrimento vem basicamente de duas fontes: o apego e a aversão. Já tinham pensado nisso?
Por exemplo: adoro meu namorado, sem ele não me sinto completa (apego). Pronto, no primeiro domingo que tem futebol com os amigos já é razão para sofrer. Outro exemplo: não suporto essa menina, é só ela chegar perto que já me provoca sensação ruim (aversão). Pronto, já começo a sofrer.
O que mais exercitei nesse retiro espiritual foi a equanimidade, ou seja, não reagir com apego, nem aversão, simplesmente ser equânime.
Você pode estar pensando: mas como aprender a ser equânime com a meditação?

buddha02

Quando meditamos estamos a todo tempo exercitando a equanimidade.
Exemplo: quando conseguimos parar com a correria do nosso dia, sentar com a coluna ereta e então praticar a meditação, nossa mente não para, ficamos inquietos e logo pensamos: não consigo meditar, minha mente não cessa, isso não vai adiantar nada, to perdendo tempo! Nesse momento tomamos consciência que começamos a criar aversão. A equanimidade começa exatamente no momento que simplesmente deixamos esses pensamentos irem embora. Sem reagir, continuamos a meditar.
Mas o contrário também pode acontecer: que delícia meditar, o mundo lá fora é tão caótico, não combina comigo, meu chefe é chato, aqui sim é tranqüilo, é bom, aqui eu tenho paz.
Nesse momento tomamos consciência que começamos a criar apego. Fazemos o mesmo. Sem reagir, continuamos a meditar.
Muito interessante, não?
Agora você pode estar pensando: mas que monótono viver assim sem reagir!
Demorei um tempo para entender a diferença entre monotonia e equanimidade. A diferença é que ser equânime não é deixar de desfrutar os prazeres da vida, ser equânime é desfrutar sem se apegar ou criar aversão.
Por exemplo: em um domingo lindo de sol, desde o início do dia já estou trabalhando a idéia de que o lindo dia também vai terminar, que o sol vai se por e a segunda-feira árdua vai chegar. Assim quando o dia acaba está tudo bem, e quando chega segunda-feira de manhã e está na hora de levantar, está tudo bem também.
Entendeu a diferença?
Assim podemos exercitar a vida e então, sofrer menos.
Agora começamos a entender que meditar não é apenas sentar com a coluna ereta. Podemos estar atentos, conscientes e em meditação a todo tempo.
Agora que você já compreendeu, se quiser, pode começar a praticar!
Que todos os seres sejam felizes!


Se colocar no lugar do outro.

Em 16/05/2009

Esse é um assunto que realmente não sai da minha cabeça. Me deixa um pouco triste pensar que não são muitas as pessoas que procuram, realmente, se colocar no lugar do outro. Mas é exatamente esse o ponto: quando eu me coloco no lugar dessas pessoas, que tem dificuldade de se colocar no lugar do outro, eu consigo entendê-las. Esse é o exercício.
É preciso exercitar a relativização, ou seja, é possível sim se colocar na posição do outro e abrir o coração para conseguir entender a verdade alheia. Até porque o próximo é um outro você que também sente que tem razão.
Vou dar um exemplo que, quando eu penso, dói minha alma: a má distribuição de renda que gera muitas famílias e seres famintos e que muitas vezes, infelizmente, morrem de fome.
O índice de mortalidade infantil, atualmente, é um absurdo: pelo relatório da FAO, doze crianças morrem de fome por minuto no mundo. Isso significa, uma criança a cada 5 segundos!

(pelo menos 5 segundos em silêncio)

O último filme (Fome) do nosso respeitado diretor brasileiro José Padilha, o mesmo que dirigiu Tropa de Elite, registra, nua e crua, a fome no Brasil.
Eu juro, e tem gente que pode achar que estou mentindo: sempre que eu entro num lugar muito luxuoso, me sinto “um pouco” mal. Esses dias aconteceu e ainda fiz um comentário: eu só conseguiria morar num lugar com esse luxo, sem peso algum na consciência, se a distribuição de renda do mundo fosse mais equilibrada.
É interessante ressaltar que não estou falando que não mereço colher (no post “O caminho da felicidade” deixei claro minha visão sobre o merecimento). Estou falando da minha consciência em investir tanto só pra mim, apenas pro meu prazer e da minha família. Podem me chamar de louco, mas eu acredito que se Deus me deu um dom e ainda tive o privilegio de poder estudar para desenvolvê-lo, e ainda ter reconhecimento dos outros com retorno financeiro abundante, poderei enfim investir esse dinheiro em projetos com o intuito de proporcionar o mesmo para mais seres. Esse é o meu caminho.
Pra finalizar: como comecei esse post falando da importância de nos colocarmos no lugar do outro, e se alguém não concorda com o que escrevi acima, não tem problema algum, eu continuo entendendo que o seu caminho é outro e respeito muito. Mas claro que se, ao terminar de ler esse post, você ou alguém realmente se identificar com o propósito de se colocar no lugar do outro a fim de poder ajudar, então ficarei muito feliz também.

yin-yang-blue

Categoria: Atitude Informaçao Vida

Somos tão apegados!

Em 14/05/2009

Somos tão apegados. Nos apegamos a coisas materiais tão bobas, mas que juramos que são tão importantes para nós, mas no fundo sabemos que não são. Nos apegamos as pessoas. Nos apegamos aos familiares. Nos apegamos até ao nosso trabalho (alguns). Nos apegamos as coisas que nos proporcionam prazer, isso nos apegamos muito, mas estamos carecas de saber que essas coisas não duram quase nada, mas insistimos em sofrer quando as perdemos.
Se já percebemos que essas coisas não duram, então porque continuamos apegados? Será porque nossa memória é curta? Não sei… Só sei que o ser-humano é um ser-apegado.
E como mudar? Tem gente que não pensa nisso e acha isso tudo uma grande bobagem. Eu não, eu penso muito sobre isso, eu medito sobre a impermanencia dessa nossa vida. Não é difícil perceber que tudo é impermanente, pra começar, tudo que nasce está fadado à morte. É sofrido meditar sobre a morte, mas se fizermos entramos numa nova etapa, a etapa do desapego. E praticar o desapego é estar mais próximo da felicidade.
Já parou pra pensar que boa parte do sofrimento humano vem do apego ou da aversão. Por exemplo: adoro você, me sinto muito bem ao seu lado, então me apego a você. Quando perco você, pronto, começo a sofrer. Agora imagine o contrário: não suporto você, você me faz mal, só a sua presença me sufoca, pronto, começo a sofrer.
Quero deixar claro que exercitar o desapego não é vir a ser um morto-vivo que não gosta nem desgosta de nada. Desapegar é ter consciência da impermanencia e lembrar sempre dela. Então, quando eu estou com alguém que me faz bem eu procuro sempre lembrar que não é possível estar sempre ao lado dessa pessoa, então já começo a trabalhar o desapego, assim sofro menos a separação. Tem gente que pensa que isso é pessimismo, nada disso, isso é consciência. Podemos exercitar igualmente quando estamos perto de alguém que não gostamos, meditamos na idéia de que logo aquilo passará, que é impermanente, pronto, aquilo já passou e não sofremos, ou sofremos bem menos. Nada simples, mas muito importante pensar. Essa é a idéia!

pessoa-apegada

Categoria: Atitude Vida

Xixi no banho!

Em 07/05/2009

Em homenagem aos meus amigos Mário Carta e Cíntia Marques mando a pergunta:

imagem

Sabe por quê? Descubra clicando aqui: www.xixinobanho.org.br

Categoria: Atitude Informaçao Vida

O caminho da felicidade!

Em 05/05/2009

Conclusões que cheguei sobre o caminho da felicidade, após um trabalho espiritual.

1- Se conhecer; 2- Aceitar quem você é; 3- Respeitar quem você é; 4- Respeitar os outros; 5- Retorno material e espiritual; 6- Merecimento

Acompanhe as duas situações abaixo: um ser fora e um ser dentro do seu caminho.

Um ser fora do seu caminho

1.    Se conhecer

Chamo-me João, amo lecionar, sou um ótimo professor. Sempre me destaquei no colégio e na universidade na hora de apresentar trabalhos e sempre recebi elogios quando se tratava desse assunto. Tenho ótima facilidade de comunicação.

2.    Não aceitar quem você é

O que eu amo mesmo é lecionar, mas tenho que cair na real, nos nossos dias não tem como viver bem sendo professor. Então analisei o mercado de trabalho e resolvi ser advogado.

3.    Não respeitar quem você é

Passo o dia inteiro dentro do escritório, tem dias que é insuportável. Não tenho tempo de cuidar da minha saúde mental e física.

4.    A conseqüência é não respeitar os outros

Eu fico indignado, esses dias encontrei um amigo de infância, me da até pena dele, ele é professor de um colégio público, ganha muito mal, mora numa casa muito simples. Pior que ele não tira o sorriso da cara, chega até a me incomodar.

5.    Retorno material e espiritual

Moro numa casa até legal, mas ainda não tenho a casa dos meus sonhos, não me sinto realizado, muito menos feliz. Tenho dois filhos, mas não me dou muito bem com minha esposa. Às vezes me pego refletindo sobre minha vida e o rumo que dei para ela.

6.    Merecimento

É muito estranho, tenho uma casa boa, dois filhos saudáveis fisicamente, mas não sei porque não me sinto merecedor.

Um ser no seu caminho

1.    Se conhecer

Chamo-me João, amo lecionar, sou um ótimo professor. Sempre me destaquei no colégio e na universidade na hora de apresentar trabalhos e sempre recebi elogios quando se tratava desse assunto, tenho ótima facilidade de comunicação.

2.    Aceitar quem você é

Mesmo o mercado de trabalho não sendo favorável, na minha área, resolvi fazer o que eu realmente amo: lecionar.

3.    Respeitar quem você é

Passo o dia ministrando aulas, cursos e palestras. E ainda reservo um tempo para fazer cursos e aprofundar nos meus estudos. É muito satisfatório. Estou sempre atento com minha saúde mental e física.

4.    A conseqüência é respeitar os outros

Esses dias encontrei um amigo de infância, ele me contou que também é professor, mas de um colégio público. Ele não tem o melhor salário, mora numa casa humilde, mas da pra ver no seu sorriso a satisfação de fazer o que ama e estar cumprindo sua missão.

5.    Retorno material e espiritual

Moro numa casa, não muito grande, mas muito legal, ainda não tenho a casa dos meus sonhos, mas me sinto realizado, e muito feliz. Tenho dois filhos educados e saudáveis, me relaciono muito bem com minha mulher, nos respeitamos muito. Às vezes me pego refletindo sobre minha vida e o rumo que dei para ela, ainda bem que encontrei meu caminho e pude aceitá-lo e respeitá-lo, por mais difícil que parecesse.

6.    Merecimento

O resultado de tudo isso é o respeito por mim e por todos os seres. O retorno financeiro veio naturalmente. Não sou o mais rico e nem preciso ser. Tenho saúde, moro numa casa bacana, amo minha família e meus amigos. Não preciso de mais nada, mas vou continuar trabalhando porque amo o que faço e sinto que ainda tenho muito para contribuir com o mundo e com os outros seres.

Fazer sua parte é mudar o mundo!

Claudinho Brasil

Categoria: Atitude Informaçao Vida

1 Giant Leap – Você já viu esse vídeo? Se não viu, corre!

Em 15/04/2009

Imagine viajar 25 paises encontrando seres iluminados, cheios de vida. E ainda poder, nesta mesma viajem, filmá-los expressando sua arte. Agora imagine o cantor da África mixado com o instrumentista brasileiro na composição de um indiano. Esse projeto deslumbrante tem um nome: 1 Giant Leap.
Acompanhe o release abaixo:

Jamie Catto e Duncan Bridgeman viajaram por 25 países, e contaram com a colaboração de uma série de músicos, pensadores, autores e cientistas de referência.
Chamaram o projeto de 1 Giant Leap como meio de celebrar “a unidade na diversidade”. Robbie Williams, Maxi Jazz, Neneh Cherry, Speech, Grant Lee Philips e Michael Stipe foram alguns dos nomes que deram a cara pela causa.

“Um musical, um épico DVD que está abarrotado com significados culturais”
Dotmusic

Categoria: Informaçao Música Vida

Siga-me com: